segunda-feira, 1 de novembro de 2010

PF investiga pastor suspeito de queimar imagem de Jesus Cristo





Crime aconteceu em julho no RS; imagem de São Pedro também foi destruída. 

Peças estavam registradas no Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

A Polícia Federal de São Borja (RS) instaurou inquérito para investigar um pastor evangélico suspeito de ter queimado duas imagens sacras protegidas pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). O crime aconteceu no final de julho deste ano. As peças destruídas retratam São Pedro e Jesus Cristo morto.

As peças foram esculpidas por índios guaranis durante o período de catequização, há mais de 300 anos. Elas faziam parte de um grupo de 24 peças da mesma época, segundo Fernando Rodrigues, diretor do Departamento de Cultura da Prefeitura de São Borja. "Elas pertenciam, na ocasião do crime, à família de Liôncio Chagas, 77 anos. Ele morreu dois dias depois de as imagens serem queimadas e destruídas." Rodrigues disse ainda que as duas peças em questão valiam entre R$ 20 mil e R$ 60 mil.

O caso foi denunciado por Rodrigues ao Ministério Público do estado, no dia 28 de agosto. "Recebemos a denúncia e pedimos que a Polícia Federal apurasse o crime. O inquérito foi instaurado no dia 22 de outubro. O prazo para conclusão é de 30 dias, mas acredito que a investigação seja encerrada em tempo menor", disse Érico Fernando Barin, promotor de Justiça da cidade.

Rafael Domingues Martins, delegado federal responsável pelo caso, disse ao G1 que o pastor é considerado investigado. "Ele ainda não é tratado como acusado. Precisamos tomar muito cuidado com o caso e por isso prefiro optar pelo sigilo. Investigamos um possível furto e o crime contra o patrimônio cultural." O pastor foi procurado pela reportagem do G1, mas ele não quis comentar o caso.
  

 O sumiço
As duas imagens, de São Pedro e de Jesus Cristo morto, foram retiradas da casa de Chagas sem a autorização dele. "Meu irmão estava muito doente. Uma vizinha começou a levar um pastor para rezar. Durante uma dessas orações, o pastor afirmou que a doença de meu irmão foi provocada pela presença das imagens sacras na casa dele", disse Ana Chagas Mendes, 62 anos.

O crime só foi descoberto pela família dias após a morte de Chagas, quando foram fazer o inventário das peças. "A família pretendia fazer a doação de todas as peças para o Museu Municipal Aparício Silva Rillo", disse o promotor. Hoje, as peças estão em poder do museu.


 O reencontro
O Ministério Público entrou com uma ação cautelar para reaver as peças retiradas da casa de Liôncio. "O mandado de busca e apreensão foi cumprido no dia 28 de agosto. Um oficial de Justiça conseguir encontrar parte de uma das imagens, a de Cristo morto, parcialmente queimada e em um cômodo da igreja evangélica. A imagem de São Pedro nunca foi encontrada e acredito que ela tenha sido totalmente destruída", disse o promotor.

"Quando souberam do sumiço das peças, a mulher de Chagas lembrou que a única pessoa estranha que esteve em sua casa foi o pastor evangélico. Ela também lembrou que o pastor insistia em tirar da casa as imagens sacras, mas ela negou essa possibilidade por saber do valor histório e cultural delas", disse Rodrigues.


 Valor histórico
Para Isabela Marques Leite de Souza, museóloga do Museu das Missões, em São Miguel das Missões, o valor das peças destruídas e das outras 22 que permanecem intactas é incalculável. "As imagens fazem parte da história do país, do período jesuítico e não é possível dimensionar valores. Em termos culturais e artísticos, posso dizer que são de grande importância."

Fui notícia no G1 - matéria publicada em 26/10/2007

Nenhum comentário:

Postar um comentário