segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Pintura tricentenária integra o acervo do Museu Apparício Silva Rillo (Museu Missioneiro)




Na última segunda-feira, o Museu Municipal recebeu uma doação de 21 peças que faziam parte de um altar em uma casa de chão batido nos subúrbios do município, entre estas 08 peças são da época reducional, todas inventariadas pelo IPHAN – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. As doações foram recebidas após 08 meses de tratativas do Diretor do Departamento de Assuntos Culturais da Prefeitura com a família Santos Chagas que, a mais de cinco gerações vem conservando e preservando as estatuárias.

Dentre as imaginárias, as que mais se destacam são: um Santo Isidro Lavrador, que na época reducional costumeiramente era levado juntamente com os Índios que trabalhavam na lavoura para abençoar o seu trabalho; um Senhor dos Passos, em tamanho natural, e a principal, mais importante e rara obra missioneira, uma pintura em óleo e tempera sobre madeira, pintura de Nossa Senhora do Socorro, de formato irregular, simétrica. Apresenta na parte superior, uma meia abóboda ladeada por torres. Na parte inferior, reto ao centro, figura feminina com coroa, cruz na mão esquerda e criança no colo, tendo na mão direita esfera com cruz. Túnica longa e manto curto. Base com dragão de uma cabeça e cauda. Dois cavalos com dois cavaleiros jovens, com chapéus de penachos apontando para a figura central, o da direita aponta com a mão esquerda eo da esquerda com a mão direita. Ao fundo, árvores, nas laterais da Santa, duas árvores (uma de cada lado) e, presas a elas, duas onças pintadas.

Estas peças estão passando por processo de limpeza, remoção de fungos e insetos, visto que estavam tomadas por cupim. Na próxima Sexta-feira, equipe técnica do IPHAN, vem até a cidade para avaliar as peças e passar informações técnicas. Dentro de trinta dias espera-se poder em ato com a família doadora inaugurar a exposição das peças no Museu Municipal Apparício Silva Rillo.

O estado de conservação das peças é precário, não culpa da família, mas sim culpa da entidade que realizou o inventário e não passou informações de como dar manutenção as peças. O DAC já solicitou as cópias de todas as fichas de identificação da estatuaria de São Borja que fazem parte do Inventário da Imaginária Missioneira, para poder realizar trabalho de investigação, procurando localizar e passar informações técnicas para os proprietários de estatuária e da mesma forma conhecer e avaliar cada uma.

Foram catalogadas 510 imagens religiosas de procedência missioneira pelo Inventário de Imaginária Missioneira, realizado no início da década de 1990 por meio de uma parceria entra a Fundação Nacional Pró-Memória e a Fundação Vitae. Desse total, a coleção do Museu das Missões (São Miguel) representa aproximadamente uma quinta parte e atualmente o IPHAN é o responsável pela fiscalização e controle destas peças.

Temos plena certeza que o Museu é o melhor lugar para que uma obra de arte como esta possa estar, proporcionando assim, acesso a mais pessoas, e propagar a cultura, não para encher os olhos, mas sim para modificar o olhar.

Em breve temos plena convicção que o Museu Municipal tornar-se-á o principal Museu de Estatuária Missioneira das Missões, sabemos que possuímos acervo para tal em nosso município, e basta apenas a concordância dos colecionadores.

Hoje, de forma alguma pode se falar em arte missioneira sem citar São Borja, já possuímos um Museu que é referencial nas Missões e assim, a cada dia que passa São Borja firma-se como o principal Berço Missioneiro, tanto pela riqueza histórica, quanto pelas pessoas de valores que este torrão produz para o Brasil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário